INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemora 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

RUA DE S. VICENTE - zona de grande sensibilidade patrimonial (2)

Não haverá dúvidas, com certeza, que a Rua de S. Vicente é uma zona de grande sensibilidade patrimonial.  Porém, o que temos observado no terreno, desde 2012, não evidencia especial atenção em relação a esta zona da cidade.
A ASPA tem recebido imagens do interior de casas desta rua que demonstram a existência de vários testemunhos da arquitetura e de elementos decorativos originais: painéis de azulejos, tetos trabalhados, escadarias em madeira e granito, clarabóias, portadas, batentes e gradeamentos de varandas em ferro, etc. Este tipo de arquitetura, o modo como se concebiam os espaços interiores, em que a estética e o conforto deviam marcar presença, deve ser preservado e integrado na intervenção a realizar.
Conservar para as gerações vindouras estes espaços privados, e os sinais das vivências  quotidianas, que testemunham a importância que Braga teve no passado, é uma obrigação da geração presente e, em especial, de quem tem responsabilidades ao nível da salvaguarda do património. É esse o futuro que desejamos para Braga.
Há anos que outras cidades perto de nós  perceberam a importância da reabilitação de edifícios e lançaram políticas que têm em vista a sua salvaguarda e valorização. Cedo perceberam que a demolição do interior NÃO É A SOLUÇÃO quando existem marcas singulares e evidentes no interior das casas. Os testemunhos da arquitetura original, devidamente conservados numa obra de reabilitação, irão valorizar o edifício, a rua e o Centro Histórico de Braga. 
Quando terá Braga um Regulamento de Salvaguarda do Centro Histórico que evite mais demolição/destruição de legado do passado, mesmo que doméstico? 

1. No final de 2015 fomos informados da demolição de duas casas nesta rua, em que se verificou, pelo menos, a perda de um painel de azulejos da entrada. De imediato questionámos a CMB e divulgámos, através deste blogue, o resultado dessas diligências. 
Em final de abril fomos novamente surpreendidos com imagens que nos foram enviadas, desta vez pelo facto de os azulejos da fachada, até então mantidos, terem sido retirados. Abandonados no chão, visíveis através da proteção da obra, conforme demonstram as imagens! 
Questionámos novamente a CMB (Gabinete do Centro Histórico). Fomos informados que os azulejos serão repostos depois de restaurados. Mas, efetivamente, a obra não contemplou a aplicação dos azulejos originais!
                                                                                                                   
2. Junto à Igreja de S. Vicente surpreende-nos que o nº 161 anuncie a venda de T1, T2 e T3, já com projeto aprovado. Estará prevista a integração de testemunhos da arquitetura original, nomeadamente a escadaria em granito existente na entrada e nas traseiras, piso em lajes de granito, painéis de azulejos, tetos, pintura interior, etc.? 
              
3. Temos recebido outras imagens que mostram mais testemunhos da arquitetura original escondidos no interior de casas desta rua. 
Uma dessas casas foi anunciada para venda, divulgando as pré-existências. Conservou até aos nossos dias painéis de azulejo, mosaico hidráulico, pinturas interiores, escadaria e tetos de madeira. No exterior, os azulejo da fachada e gradeamentos de varandas e da porta de entrada.
Nesta casa esperamos que esteja prevista a reabilitação com salvaguarda destes sinais, certamente pensados por quem projetou a casa.  Ansiámos que seja um exemplo de reabilitação urbana que a dignifique, bem como à rua e ao Centro Histórico de Braga.
                                                                                                                 A Convenção de Braga para a Salvaguarda do Património Cultural, assinada em 18 de maio de 2016, integra um conjunto de recomendações assumidas pelos Municípios com Centro Histórico, "com base em quatro pilares fundamentais: a educação pela preservação patrimonial; a arquitetura e o urbanismo, a reabilitação de interiores e o estudo e conservação de vestígios artísticos e arqueológicos, a qualificação do ambiente e a gestão sustentável do espaço público; e a participação cívica e a cooperação institucional no âmbito da reabilitação urbana."
Espera-se que a Convenção seja operacionalizada em boas práticas: da parte dos proprietários, projetistas, promotores imobiliários, técnicos da autarquia, responsáveis políticos, instituições a quem compete zelar pelo património e associações.
Espera-se, também, que a demolição seja uma exceção em Braga, só aplicável quando o estudo técnico, devidamente fundamentado por equipa multidisciplinar, o justifique. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário