INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemorou 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.

SETE FONTES

DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

JULHO 2018
A CMB apresenta às associações e aos proprietários dos terrenos, o "Ponto da Situação e a Estratégia Executória para o Complexo Ecomonumental das Sete Fontes".

Março 2019
Sessão pública "Salvaguarda e Execução do Parque Ecomonumental das Sete Fontes. Apresentação dos estudos: hidrogeológicos, arqueológicos, urbanísticos e paisagísticos"

Fevereiro de 2020
Apresentação e discussão pública do Plano de Urbanização e do Projeto do Parque das Sete Fontes

Agosto de 2020
CMB adquiriu primeiros terrenos para a construção do Parque das Sete Fontes.

quarta-feira, 8 de setembro de 2021

Tertúlia: Cidadania e Património

A ASPA promove, na próxima sexta-feira, no Museu Nogueira da Silva (Braga), uma Tertúlia sobre CIDADANIA E PATRIMÓNIO.




É o contributo da ASPA no âmbito da Semana da Democracia (6 a 16 de setembro), promovida pelo Movimento de Cidadania Contra a Indiferença.

Tenciona participar? Excelente!



segunda-feira, 30 de agosto de 2021

RECOLHIMENTO DAS CONVERTIDAS: quase 10 anos de alertas no sentido da salvaguarda do monumento (2012-2021)










O Recolhimento de Santa Maria Madalena ou das Convertidas, respetiva Cerca e Capela de São Gonçalo, é um conjunto relevante de autenticidade memorial do Barroco conventual em Portugal. Pertence ao Ministério da Administração Interna.
Desde final da década de 90, do séc. XX, que a ASPA tem actuado no sentido da defesa e valorização deste bem cultural classificado como imóvel de importância nacional (Imóvel de Interesse Público), junto das entidades a quem compete a sua salvaguarda.
Partilhamos, mais uma vez, os alertas da ASPA sobre a situação em que se encontra este monumento que, há anos, pertencia ao Governo Civil de Braga. Constata-se que a situação atual não tem contribuído para a salvaguarda e valorização do monumento, pelo que se espera que, em breve, seja integrado na CIM Cávado. 
 

                                                                     

ENTRE ASPAS "Um novo mau vizinho do Recolhimento das Convertidas: um hotel excessivo"


Na sequência de textos anteriores, partilhamos, novamente, a preocupação já demonstrada pela ASPA, junto do Município de Braga e da DRCN, pelo risco a que ficará sujeito o Recolhimento das Convertidas caso avance o projecto de um hotel de grande volumetria, contíguo ao monumento. Os impactos desta construção podem ameaçar a estabilidade do monumento e a sua integridade patrimonial.


    fonte: Google Earth                          Ampliar

Destacamos alguns parágrafos deste entre aspas:

O Recolhimento das Convertidas, respetiva Cerca e Capela de São Gonçalo é, desde 2012, Monumento de Interesse Público. Tem uma zona especial de proteção (ZEP) que cruza ZEPs de outros monumentos, onde a empresa promotora do hotel prevê construir novos edifícios, contando com o parecer favorável da DRCN, datado de 2018 e confirmado em 2019.

Estranhamos, desde logo, o parecer favorável da DRCN, sem qualquer referência à proximidade do Recolhimento das Convertidas. Também estranhamos muito o facto de o PIP ser aprovado com voto contra do Vereador do Urbanismo e Património. 

Em julho contactámos de novo a DRCN, alertando, mais uma vez, que um hotel com edificado de grande volumetria e estacionamento subterrâneo, no espaço adjacente ao monumento barroco e ocupando a respetiva ZEP, iria colocar em risco as Convertidas. 

Uma vez que a edificação anunciada pelos promotores pressupõe grande intervenção no solo, colocam-se questões pertinentes: qual o tipo de solo que esperam encontrar? haverá necessidade de fazer detonações, tal como está a acontecer no quarteirão junto à rua de S. Vicente? ou é imprevisível?

Preocupa-nos o perigo a que ficará sujeito o Recolhimento das Convertidas durante a construção do hotel, uma vez que a obra implica intervir no solo, junto ao monumentoSendo grande a fragilidade das estruturas de madeira, que suportam o monumento barroco, fica em risco a sua salvaguarda, segurança, integridade e monumentalidade.  

Saliente-se ainda a importância particular da sua cerca traseira com um muro conventual que dá para a rua de São Gonçalo, e que é um espaço integrado de todo o conjunto patrimonial. Surpreendeu-nos que, no espaço da Cerca, o projeto referisse "possível ligação ao Recolhimento das Convertidas".

Por que razão, entre 2019 e 2021, há total silêncio sobre este assunto? A ASPA insistiu, várias vezes, junto de várias entidades, no sentido da clarificação deste assunto.

Esperamos, da parte do Ministério da Administração Interna (proprietário do monumento), da Câmara Municipal de Braga e CIM Cávado, bem como da Direção Regional de Cultura Norte, uma ação conjunta de modo a evitar a perda do monumento barroco e respetiva cerca.