INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemora 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

segunda-feira, 30 de maio de 2016

ENTRE ASPAS - "Reabilitação de edifícios históricos em Braga"

As praças, ruas e o edificado do Centro Histórico de Braga constituem um valioso legado que é necessário proteger.
Braga só será capaz de igualar-se a cidades vizinhas que, desde há anos perceberam a importância da salvaguarda do património para  o desenvolvimento local, se projetistas, proprietários, promotores imobiliários, técnicos da autarquia e responsáveis políticos, abraçarem como causa comum a valorização do edificado.
É esse o desafio que, em conjunto, terão de vencer.

Devemos ter presente que:
  • A demolição implica destruição de património e empobrece as cidades.
  • A reabilitação conserva o que existe, integra o passado no presente, valoriza  as cidades. É um atrativo para quem nos visita.

Diário do Minho - 30 de maio de 2016
Rua Dom Frei Caetano Brandão
Rua de S. Vicente
O património de Braga não se limita ao subsolo, embora na Rua Dom Frei Caetano Brandão e Rua de S. Vicente se justifiquem intervenções arqueológicas aprofundadas. Estas casas possuem um expressivo valora arquitectónico, que não se limita à fachada, sendo igualmente constituído por interiores de grande interesse patrimonial e estético que é necessário proteger e valorizar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário