INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemorou 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

JULHO 2018
A CMB apresenta às associações e aos proprietários dos terrenos, o "Ponto da Situação e a Estratégia Executória para o Complexo Ecomonumental das Sete Fontes".

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

ENTRE ASPAS "O QUIOSQUE: equipamento urbano de interesse municipal"


Sendo os quiosques um equipamento urbano com múltiplos usos na atualidade e que embelezam o espaço púbico,  a ASPA lançou, recentemente, um novo desafio à Câmara Municipal de Braga: reconhecer valor patrimonial aos quiosques históricos, promover o seu estudo e formalizar a classificação como equipamento urbano de interesse municipal. Para garantir a  sua conservação e valorização, no presente  e no futuro.



PASSADO E PRESENTE... o que lhes reserva o futuro?



As imagens antigas dos quiosques, publicadas neste "Entre Aspas", pertencem ao arquivo Arcelino. Integram o Arquivo Fotográfico ASPA/Museu Nogueira da Silva.
As imagens a cor são de 2018.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

O FUTURO DA CONFIANÇA: apelo à CMB e aos partidos políticos

Ampliar
A Confiança reúne vários requisitos que não podem ser ignorados:
1. foi adquirida pelo Município de Braga, em 2011/2012, através de um processo de expropriação por utilidade pública, com o propósito de ser reabilitada;
2. é propriedade do município;
3. tem potencialidades para equipamento cultural, numa cidade que se candidatou a Capital Europeia da Cultura e que não dispõe de espaços com dimensão suficiente, em exclusivo, para esse efeito;
4. reune sinergias de vários quadrantes - políticos, associativos, da sociedade civil - no sentido da sua preservação como espaço cultural;
5. foram criadas expetativas no sentido da criação de um equipamento que, finalmente, iria dar resposta às carências que, desde há muito, a cidade vem sentindo.
A ASPA apela ao Executivo Municipal e às diferentes forças políticas para que se unam em torno de um objetivo comum: a salvaguarda da Confiança, como equipamento cultural com e do futuro.  

terça-feira, 4 de setembro de 2018

ENTRE ASPAS "O Futuro de Bracara Augusta"


O projecto de Salvamento e Estudo de Bracara Augusta foi pioneiro em Portugal e mesmo no quadro da Península Ibérica. Lembramos que, graças aos esforços da CODEP (que deu origem à ASPA) e de outras entidades e pessoas, o I Governo Constitucional ficou sensibilizado para a ameaça pendente e parou a destruição dos vestígios da cidade romana, em 1976.

Passados mais de 42 anos, pergunta-se: qual a importância de Bracara Augusta para Braga? 
Qual será o futuro do projecto?

Ampliar