INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemora 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

terça-feira, 8 de julho de 2014

"ÁGUA DAS SETE FONTES" - um estudo realizado em 1937 que os bracarenses desconheciam!

O estudo elaborado em 1937, a pedido da Câmara Municipal de Braga, não teve qualquer influência nas opções tomadas em PDM, ao longo de anos, para as Sete Fontes! Os dados trabalhados pela CMB, no final da década de 50, também não foram atendidos! E também foi ignorado o parecer do Instituto Português de Arqueologia elaborado em 1999! 
O Sistema Hidráulico Setecentista era conhecido em pormenor. Os desenhos das minas, galerias e aquedutos, assinados pelo Engº Nascimento da Fonseca comprovam isso mesmo. 
O manancial de água que suporta era também conhecido, conforme comprovam esses estudos e também o Diário do Governo de  4 de Janeiro de 1936. 



Estes e outros dados sobre o Complexo das Sete Fontes podem ser consultados na MÍNIA nº 13.


A suspensão do PDM na área das SETE FONTES, assumida recentemente pelo atual executivo municipal, abriu de novo  a esperança para o Complexo das Sete Fontes (Monumento Nacional desde 2011).
As obras de conservação já em curso, por enquanto nas estruturas exteriores, demonstram um investimento no Sistema Hidráulico Setecentista. 
Aguardamos a conservação de estruturas interiores danificadas durante a construção do hospital e acessos  bem como a resolução dos problemas de erosão do solo na envolvente das minas e aquedutos. Aguardamos também a realização de obras de drenagem da via de acesso ao hospital.



Nenhum comentário:

Postar um comentário