INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemorou 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.

SETE FONTES

DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

JULHO 2018
A CMB apresenta às associações e aos proprietários dos terrenos, o "Ponto da Situação e a Estratégia Executória para o Complexo Ecomonumental das Sete Fontes".

Março 2019
Sessão pública "Salvaguarda e Execução do Parque Ecomonumental das Sete Fontes. Apresentação dos estudos: hidrogeológicos, arqueológicos, urbanísticos e paisagísticos"

Fevereiro de 2020
Apresentação e discussão pública do Plano de Urbanização e do Projeto do Parque das Sete Fontes

Agosto de 2020
CMB adquiriu primeiros terrenos para a construção do Parque das Sete Fontes.

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

QUEM CALA CONSENTE. VAI calar ou VOTAR?

QUEM CALA CONSENTE!”  ... diz o POVO. Vai calar ou vai VOTAR?

Na tertúlia que realizámos no Museu Nogueira da Silva, na Semana da Democracia (Manifesto Contra a Indiferença), Manuel Sarmento lançou a debate a temática “Cidadania”. Explicitou o conceito de Cidadania Participativa e seu impacto nas eleições que vão legitimar o exercício de funções, neste caso a nível autárquico, às equipas a quem este ato democrático atribuir a função de governar o concelho (Executivo Municipal) ou acompanhar e fiscalizar a atividade da Câmara Municipal (Assembleia Municipal). A liderança das Juntas de Freguesia/Uniões de Freguesia e respetivas Assembleias de Freguesia, também terá lugar no dia 26 de setembro.

A Cidadania Participativa exerce-se no quotidiano, individualmente ou no âmbito da ação das organizações da sociedade civil. Motiva a busca de respostas, por parte de cidadãos/ãs, relativamente a problemáticas existentes e respetivas causas, conduzindo a intervenção na vida da cidade/concelho de formas variadas: questionando, através dos canais próprios (municipe@cm-braga.pt); identificando problemas e sugerindo soluções a quem exerce funções executivas;  participando nos processos de discussão pública;  participando na Assembleia Municipal, no período destinado ao público, etc. Quem participa na vida da cidade/concelho vai conhecendo a posição de candidatos que agora se apresenta a votos, sobre os diversos assuntos que relativos à cidade/concelho. 

A Cidadania Representativa é operacionalizada através das listas de candidatos e respetivo Programa Eleitoral.

Compete ao Cidadão, como eleitor, informar-se, para que seja capaz de distinguir promessas estruturadas de promessas demagógicas.

Muita gente se questiona se deve votar, pois não conhece os candidatos, não sabe se são pessoas com conhecimentos e perfil de liderança que lhes permita cumprir promessas. Nos próximos quatro anos não descanse; mantenha papel ativo como cidadão, participando na vida da cidade/concelho onde reside.

Não esqueça: BRAGA A TODOS NÓS PERTENCE!

Nenhum comentário:

Postar um comentário