INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemorou 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.

SETE FONTES

DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

JULHO 2018
A CMB apresenta às associações e aos proprietários dos terrenos, o "Ponto da Situação e a Estratégia Executória para o Complexo Ecomonumental das Sete Fontes".

Março 2019
Sessão pública "Salvaguarda e Execução do Parque Ecomonumental das Sete Fontes. Apresentação dos estudos: hidrogeológicos, arqueológicos, urbanísticos e paisagísticos"

Fevereiro de 2021
Apresentação e discussão pública do Plano de Urbanização e do Projeto do Parque das Sete Fontes

domingo, 14 de junho de 2020

ENTRE ASPAS "Memória para todos: o papel das bibliotecas"

Manuela Barreto Nunes, bibliotecária, alerta para a crise em que se encontram as bibliotecas públicas devido ao abandono por parte do Ministério da Cultura, o que "motivou uma recente carta aberta à Ministra da Cultura, promovida por um conjunto de bibliotecários e subscrita por mais de um milhar de cidadãos, entre os quais artistas, escritores e investigadores, chamava a atenção, entre outros aspectos, para a importância das bibliotecas na recolha e valorização do património cultural imaterial e da memória local, enquanto “elementos estruturantes da identidade das comunidades” e, nesse contexto, da constituição e valorização dos Fundos Locais, colecções de documentos que preservam e promovem a memória e a identidade das comunidades, contribuindo para a coesão social e o desenvolvimento local e regional."
Relembra que "...a Rede de Bibliotecas de Leitura Pública do Cávado, constituída no âmbito da respectiva Comunidade Intermunicipal, obteve um pequeno financiamento no âmbito do programa PADES, acima referido, para a criação de uma Biblioteca Digital do Cávado. Com o nome de AquaLibri, esta biblioteca digital, que ainda este ano abrirá as suas portas virtuais, disponibilizará em acesso aberto e gratuito as colecções de imprensa local, livro antigo, monografias locais de há muito esgotadas, documentos efémeros, fotografias e recursos sonoros e audiovisuais que testemunham a vida das comunidades. Desenvolvida seguindo o espírito da participação cidadã, estimulará a colaboração das populações através do depósito de documentos das suas próprias bibliotecas e espólios particulares, ou dos testemunhos que vão recolhendo na actividade do dia-a-dia, contribuindo assim para a preservação e a divulgação da memória colectiva. 
Talvez aqui, através da cooperação intermunicipal, se anteveja um novo futuro para as bibliotecas públicas e para os seus fundos locais e patrimoniais."

Nenhum comentário:

Postar um comentário