INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemorou 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.

SETE FONTES

DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

JULHO 2018
A CMB apresenta às associações e aos proprietários dos terrenos, o "Ponto da Situação e a Estratégia Executória para o Complexo Ecomonumental das Sete Fontes".

Março 2019
Sessão pública "Salvaguarda e Execução do Parque Ecomonumental das Sete Fontes. Apresentação dos estudos: hidrogeológicos, arqueológicos, urbanísticos e paisagísticos"

Fevereiro de 2021
Apresentação e discussão pública do Plano de Urbanização e do Projeto do Parque das Sete Fontes

terça-feira, 12 de maio de 2020

ENTRE ASPAS "Parque verde urbano: aguardamos esclarecimento"

Desde janeiro de 2019 que a ASPA insistiu, junto do Senhor Presidente da Câmara Municipal de Braga e do Senhor Vereador do Pelouro do Ambiente, no sentido da realização de um estudo fitossanitário e biomecânico atual, de modo a evitar o abate de árvores saudáveis, em espaço verde público de zonas residenciais urbanas, no âmbito da intervenção prevista para as freguesias de S. Vicente e S. Victor. 
Precisamos de árvores de grande porte, com espécies adequadas a ambiente urbano, que facilitem a circulação das pessoas em situação de calor extremo, contribuam para a melhoria da qualidade do ar e sejam suporte à biodiversidade.

Conhece a Estratégia Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas? Consultar AQUI.

Alertas da ASPA sobre o parque verde urbano em Braga:

Nenhum comentário:

Postar um comentário