INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemorou 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.

SETE FONTES

DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

JULHO 2018
A CMB apresenta às associações e aos proprietários dos terrenos, o "Ponto da Situação e a Estratégia Executória para o Complexo Ecomonumental das Sete Fontes".

Março 2019
Sessão pública "Salvaguarda e Execução do Parque Ecomonumental das Sete Fontes. Apresentação dos estudos: hidrogeológicos, arqueológicos, urbanísticos e paisagísticos"

Fevereiro de 2021
Apresentação e discussão pública do Plano de Urbanização e do Projeto do Parque das Sete Fontes

domingo, 12 de abril de 2020

ENTRE ASPAS: "Fique em casa! Então faça a sua horta onde estiver, pois estamos na Primavera!"

Os autores deste texto colocam um desafio às famílias, no sentido de criarem hortas em suas casas, em especial a quem vive em apartamentos e nunca aproveitou o espaço das suas varandas nesse sentido. Quem, em 2021, tem o privilégio de ter quintal, e não teve a oportunidade de criar a sua horta, pode aproveitar para a criar enquanto está em casa, em isolamento social. 

Estamos na Primavera, período do ano em que se fazem sementeiras e plantações. Este é o momento para dar atenção às sugestões que os autores nos apresentam, criando um espaço que permitirá ocupar o tempo e acompanhar o ciclo de vida das plantas. Mais tarde terá o prazer de saborear legumes da sua horta e colher ervas aromáticas frescas para melhorar o paladar das refeições: salsa, hortelã, cebolinho, tomilho, salvia, ... e, até, loureiro e alecrim, se tiver espaço razoável. Irá (re)descobrir paladares bem mais agradáveis do que quando compra alimentos produzidos em agricultura intensiva.
Para as crianças será um espaço descoberta, onde irão perceber que é da terra que obtemos a maior parte dos nossos alimentos, de forma direta ou indireta. Irão descobrir o ciclo de vida das plantas, desde a sementeira à colheita, e perceber que são precisos cuidados diários para obter produtos de qualidade. E aprenderão a valorizar os alimentos de origem vegetal, que são essenciais para a saúde e bem-estar.



Em "A Minha Horta é Biológica" os autores apresentam 43 fichas de culturas hortícolas, plantas aromáticas e flores comestíveis. 

Entretanto, enquanto estamos isolamento social, poderá consultar:



Nenhum comentário:

Postar um comentário