INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemora 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

domingo, 2 de junho de 2013

RIO CÁVADO - situações inadmissíveis no séc.XXI

O Rio Cávado tem sido alvo de notícia e pelos piores motivos - descargas poluentes e acumulação de resíduos de construção civil nas suas margens! Desde quando? Até quando?
Para além do abuso por parte de quem não cumpre a Lei, estas situações indiciam também a falta de atenção para os problemas locais, não só por parte dos responsáveis a quem competia dar o alerta, mas também por parte da população. Reflete ainda a falta de fiscalização por parte de quem devia controlar o espaço público, neste caso a zona ribeirinha. 
A falta de formação e sensibilidade ambiental por parte de quem não cumpre, e o facilitismo por parte das entidades a quem compete fazer cumprir, conduzem a situações de risco ambiental que não são admissíveis no séc. XXI.
Está em causa a qualidade da água, a saúde da população, a proteção da vida selvagem e a salvaguarda da paisagem, valores que exigem a articulação entre a população, políticos com responsabilidades locais e técnicos de serviços públicos.
Diário do Minho - 1junho2013

Diário do Minho - 2junho2013
Os  nossos parabéns às associações que organizam brigadas de controlo do Rio Cávado e suas margens. 
A ocorrência de situações deste tipo no séc. XXI, quando tanto investimento foi realizado no sentido de as evitar, leva-nos  a colocar algumas questões:
O Rio Cávado é, ou não, um ponto forte do distrito de Braga?
O que tem sido feito para evitar/controlar este tipo de situações?
O que pode ser feito em comum para valorizar o Rio Cávado como recurso para o desenvolvimento sustentável de Braga e concelhos vizinhos?





Nenhum comentário:

Postar um comentário