INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemorou 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

JULHO 2018
A CMB apresenta às associações e aos proprietários dos terrenos, o "Ponto da Situação e a Estratégia Executória para o Complexo Ecomonumental das Sete Fontes".

segunda-feira, 30 de abril de 2018

ENTRE ASPAS: "AGRICULTURA FAMILIAR: um motor necessário para coesão"



O Estatuto do Agricultor Familiar, recentemente posto em consulta pública pelo Ministério da Agricultura, corresponderá às reais necessidades do país?
As opiniões divergem e, como tal, perece-nos essencial promover a reflexão sobre o assunto e divulgar a tomada de posição pública assumida recentemente por um grupo de cidadãos. 
   Ampliar



Devemos à agricultura familiar a resistência de muitos anos e o contributo que que tem dado à preservação do património genético vegetal e animal e, a algumas instituições, o estudo desses recursos, a sua conservação e valorização. Destacamos o Banco Português de Germoplasma Vegetal, do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, em Braga (que colhe, conserva in vitro, avalia e mantém viáveis sementes de hortícolas e cereais) e a Escola Superior Agrária de Ponte de Lima (que colhe, estuda e promove a continuidade de fruteiras regionais).
O feijão-terrestre, que integra a lista Slow Food e é comercializado pela Cooperativa Agrícola dos Arcos de Valdevez, e a maçã Porta-da-loja, reconhecida por alguns municípios do Minho como património vegetal de interesse municipal, são duas variedades regionais preservadas por agricultores do Minho. 
Outras há que não podemos/não queremos perder!


Nenhum comentário:

Postar um comentário