INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemora 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Visita ao Banco Português de Germoplasma Vegetal

A ASPA organizou uma visita ao  Banco Português de Germoplasma Vegetal, a realizar no dia 15 de julho, pelas 16:30h, sendo orientada pela Engª Ana Maria Barata.

Nº máximo de participantes: 30
Inscrições: gratuitas, mas obrigatórias  até 13 de julho. Sujeitas  a confirmação.

Ponto de encontro: 
Quinta de São José, São Pedro de Merelim
(Estrada Nacional Braga/Prado)

O Banco Português de Germoplasma Vegetal (BPGV), do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, tem como missão preservar e salvaguardar sementes recolhidas junto dos agricultores, nomeadamente cereais, leguminosas grão, hortícolas, plantas aromáticas e medicinais, pastagens e forragens.
No BPGV trabalha uma equipa de investigadores e técnicos que têm em mãos a conservação do património genético do país, através de técnicas de frio, coleções de campo, in vitro e criopreservação. 
A avaliação deste património faz parte integrante das atividades do BPGV.

Nenhum comentário:

Postar um comentário