INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemora 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

domingo, 7 de abril de 2013

COMPLEXO DAS SETE FONTES - abandono, degradação e desperdício!

O Complexo das Sete Fontes foi ignorado pelo município bracarense nos documentos estratégicos para o concelho, apesar do processo de classificação ter iniciado em abril de 1995, pouco depois de a ASPA ter instruído o processo de classificação junto do IPPAR!
Em 2011 o estado português reconheceu, finalmente, a sua importância, assumindo-o como monumento de interesse nacional.
Foi também definida  a respetiva zona especial de proteção (ZEP).

As imagens que hoje recolhemos na área da ZEP do monumento nacional refletem, mais uma vez, a falta de cuidado do município, a quem compete conservar, cuidar e proteger devidamente o bem, de forma a assegurar a sua integridade e evitar a sua perda destruição ou deterioração. O que tem feito a Direção Regional de Cultura Norte no sentido da salvaguarda do  Complexo das Sete Fontes?
Para observar pormenores das imagens, abrir hiperligação em novo separador

 O lixo abandonado na mata, junto aos prédios, é o cartão de visita no monumento nacional! Observável também em alguns outros locais do monumento, muito provavelmente espalhado por animais.

A força da água é tal que não cabe nos aquedutos. A água corre à superfície em direção a condutas existentes junto à zona comercial, encaminhando-a muito provavelmente para o Rio Este.
A água é um recurso natural de grande valor na atualidade. Mas  em Braga é desperdiçada deste modo!


A degradação mantém-se na envolvente de algumas minas... 
É este desrespeito pelo património e ambiente que os bracarenses desejam para o seu concelho?

Nenhum comentário:

Postar um comentário